24 de abril de 2010

Mãe-poesia

A mãe-poesia que nos alimenta
com o leite das letras, das rimas,
da métrica e dos versos
de sonhos que um dia plantamos
para hoje ver nascer,
é a mesma mãe-poesia
que acolhe os poetas que nascem
e os homens que morrem
nos braços de uma palavra.

Que se há de fazer?

Que fique o dito pelo não dito, e tenho dito!
Hoje morro sem saber o que querias dizer.

Um comentário:

João Gilberto disse...

E tudo isso porque no princípio era o verso e todas as coisas foram feitas a partir dele.

Poema muito bom, parabéns doutora.

Até mais.