28 de outubro de 2009

Os malefícios da leitura

Hoje vim fazer uma denúncia à comunidade. Uma coisa que acho que muita gente nem percebeu, e quem percebeu achou melhor nem divulgar...

Parem de ler! Parem de ler imediatamente!


A leitura pode trazer consequências irremediáveis ao seu desenvolvimento e relacionalmento psico-social.

Criançinhas que lêem são as primeiras - e talvez as mais afetadas vítimas. Com a leitura, acabam se tornando adultos inconformados, revolucionários. Dados revelam que noventa e nove por cento dos leitores infantis, ao crescerem, acreditam realmente que o mundo devia ser diferente. E pior: Dentre estes, 60% acreditam que podem mudar o mundo. A leitura gera seres incontrolados. Com uma consciência de seus poderes ilimitada. Uma liberdade excessiva. Assustadora. Seres perigosos.

A leitura gera inconformados. Que vêem uma realidade que foi tão ardilosamente mantida escondida por trabalho de tantos durante milênios...

Gera pessoas com síndrome do pânico. Pânico do mundo medíocre. Ordinário. Mesquinho.

A leitura gera mocinhas que acreditam que existe príncipe encantado e cavalo branco. Mulheres que vão viver uma vida em busca de um amor perfeito. Esperando nas janelas, com seus livros em punho, pela serenata que nunca vai chegar. Sonhando com noites de baile, pedidos de casamento, vestidos com saias rodadas, torres de castelo, maça envenenada e sapo que vira princípe. [Minha filha só vai ler Machado de Assis depois dos dezessete, quando já tiver descoberto que tipo de homem anda por esta Terra...]

A leitura leva ao sonho, a fantasia, a devaneios irreprodutíveis em nossa mundo real e concreto. Portanto geradores de frustações. Em casos graves, a leitura leva ao suicídio. Se não do corpo, da alma.

Venho rogar pelo banimento deste mal da humanidade.

A leitura afasta as pessoas da sociedade. A leitura torna suas vítimas incapazes de suportar um mundo insosso, desenxabido. A leitura crônica tende a levar seus dependentes ao isolamento. Medo da incompreensão. E ao medo da solidão. Um paradoxo insolúvel.

A leitura é obscena. A leitura revela íntimos, expõe ao mundo universos particulares. A leitura é a devassidão da sociedade. Onde todos nos tornamos únicos. Identificamos nossas histórias. Nos auto-retratamos e auto-reconhecemos nos outros. A leitura deve ser imediatamente combatida.

Num mundo sem leitura, sem livros, sem histórias, morreríamos felizes na nossa ignorância. Não perceberíamos os grilhões que nos prendem. A falta de luz à qual nos submetem (premedidatamente para ainda mais piorar as condições de acesso às letras). Teríamos dias rotineiros, atolados em trabalhos habituais. A força de produção seria muito maior. O mundo capitalista estaria longe de uma crise. Estaríamos no auge da produção de capital, pois seríamos só nossa cegueira estúpida, jamais influenciada por pensamentos. Para que pensamentos? Para que gastar o tempo com possibilidades?
Jamais conheceríamos o limite das nossas possibilidades, e então jamais nos frustaríamos por não tê-lo atingido. Jamais conheceríamos o limite do prazer, da loucura, da insanidade. Seríamos mais saudáveis. Provavelmente nossa expectativa de vida aumentaria enormenente. Exemplo seja dado dos escritores românticos nacionais. Todos sofreram de mal do século. Todos mortos na flor da juventude. O que todos tinham em comum? Os livros, as letras, o direito iluminador e um amor platônico - decorrente de leituras de amores platônicos.

A leitura, meus caros, gera a loucura. Que o diga Dom Quixote e seus moinhos de vento.

Confisquem os livros. Fechem as editoras. Fechem as livrarias. Impeçam as cafeterias de permitirem leituras acompanhadas de capuccino nos fins de tarde - uma mistura também comprovadamente fatal para as relações humanas.
Impeçam a entrega de livros nas escolas. Proibam os pais de lerem livros para seus filhos dormirem. Não criem monstros. Não desenvolvam em seus filhos um gosto censurável pela comédia, pelo drama, pela fantasia, pelo irreal. Não estimulem a criatividade, a curiosidade. Não criem uma geração de incorformados.

Novas fogueiras de inquisição em praça pública! Para queimar os livros, todos eles. Esses mecanismos geradores de sonhos, de iluminação, de políticos que combatem a corrupção, de seres humanos socialmente comprometidos. Geradores de revolução!
O mais grave crime da leitura é pura e simplesmente gerar seres humanos.


Venho então avisar a todos. Como o mal ainda não está dissemidado, sendo praticado por tão poucos, os malefícios ainda estão sendo suprimidos por todas as convenções trazidas pela novelas das nove, pelos RPGs e pelas promoções de minutos ilimitados nos celulares. Mas isso não vai durar muito tempo.
A leitura é um mal de disseminação lenta, mas potencialmente crônico. Uma vez infectado, o indivíduo portador desenvolve sintomas da inconformação pelo resto da vida. E não há cura. Não há tratamento.

Fechem os blogs, confisquem as datilográficas e os computadores. Fechem os jornais, as prensas. Os cartunistas devem ser detidos, junto com os romancistas, os cordelistas, os colunistas...

Salvem o mundo que conhecemos.

PS.: Podem deixar abertos os twitters, as revistas de celebridades, disseminem a programação da TV aberta "de qualidade". Esses não oferecem risco algum à sociedade.
Fico feliz em ver os conformados em ler 140 caracteres escritos por desconhecidos sobre suas atividades diárias. Updates, flashes a todo momento sobre como foi legal ir ao shopping, ou o que o indivíduo acabou de almoçar... Inutilidade em tempo real. Isso realmente não pode causar nenhuma forma de revolução mundial. Ao contrário. Faz o serviço de "ignoratização", colaborando a nosso favor.
O mesmo para quando informamos a população sobre o que está havendo na Ilha num sei das quantas, onde todos os popstars estão reunidos para um chá de fim de tarde... (chá???)
A TV é um caso a parte. Não é só porcaria que encontramos, então bom prestar atenção na classificação indicativa.

5 comentários:

Evelyn Sousa do Nascimento disse...

Você é uma pura ignorante, Deus me livre de banir a leitura desse pais ou até mesmo desse mundo, ficou louca de vez foi se você não soubesse ler como você teria escrito essas barbaridades e mais era pra ser uma burra, era bem melhor você sem saber ler só assim não sairia escrevendo essas idiotisses por ai...
Por: Evelyn Sousa do Nascimento'

Klécia Melo disse...

Querida, me diga por favor que n leu o texto todo, e comentou isso apenas pela leitura apressada do primeiro paragrafo. Espero que assim seja, pois do contrario, sua capacidade de interpretacao de texto, inferencia e identificacao de sarcasmo esta realmente bem defasada...
le de novo,e depois critica baseada na ideia real do texto tah?

Klécia Melo disse...

Ah, idiotiCes, querida. ;-)

Juan disse...

Essa Evelyn deve estar de brincadeira kkkk

Bom texto, não sei onde eu li na primeira vez, mas que bom que pude ver de novo.

Natália Santis disse...

Li todo o texto e em termos concordo com você, passei boa parte da milnha vida lendo livros de literatura e me pergunto no que isso me ajudou. Sou um tento dispersa e revolucionária. Acredito que a leitura moderada faz bem, é digesta. Livros saudáveis depois do almoço.

Me questiono sobre a influência dos livros de auto-ajuda, porque vários livros querem que sejamos diferentes, e nenhum deles entram em acordo justamente porque foram escritos por pessoas diferentes e, o que serve para uma pessoa, não serve para a outra.

Quem lê muito vive pouco, e, a diferença entre a leitura e a vida é que a segunda acontece em tempo real e o tempo que perdemos, simplesmente não volta.

Graças a Deus me livrei desse male chamado televisão. eu simplesmente não assisto.

Fica bem, boa semana para você :)