14 de novembro de 2011

Lei it be...

Hoje acordei inteira. Com todos os pedacos colados montando meu bonito vitral que insisto em consertar toda vez que um idiota quebra. Faz parte da vida... Eterna reconstrucao, descobrimento, vir a ser.

A minha satisfacao por nunca me achar completa me deixa feliz pela enorme gama de possibilidades que posso escolher, por tudo que posso ainda me tornar. Pelo tanto que a vida pode ainda me surpreender.
Por isso hoje resolvi deixar de me fechar as mudancas, e de tentar renegar o tempo, os gestos, a vida. Prestar atencao na fotografia. Na velha, preta e branca, e na nova, digital. Tentar colar os dois mundos. Como sempre tentei fazer. Juntar as coisas, conciliar. Como se eu realmente tivesse uma necessidade urgente por isso.

Importante foi parar de enxotar os amores. Aceitar as parcialidades, as imperfeicoes, arestas, origens, pensamentos... Ficar no meio termo entre a descrenca em toda e qualquer forma de amor e a crenca no principe encantado. Ficar no lugar mais adequado, sentada na beira da vida, com os pes se molhando de realidade, mas com os olhos mirando o horizonte, a lua, o sol, o ceu. O infinito de possibilidades mais uma vez...

Nego-me a acreditar em um amor da minha vida, e passo a conceber a ideia de amores para a minha vida... Nao um, mas varios, inumeraveis, catastroficas, catatonicos, pulsantes, irracionais... Imensuraveis.
Amor de mae, de pai, de irmao, de amigos, de amigas, de vizinho, de cachorro, de papagaio, de companheiro...
Porque hoje descobri que nao posso - nem vou - me apaixonar uma vez so, e perdidamente por ninguem. Porque descobri hoje que sou muito mais do tipo que ama o mundo, que quer abracar a vida e beber a taca cheia todo dia. Cheia de coisa viva, cheia de sentimento, cheia da minha insanidade meticulosamente controlada.
Ficar encarando a vida, vendo os caminhos que ela me da... Hoje estou com esse sentimento bom de dever bem cumprido... De que se tem uma coisa que estou fazendo direito, hoje, eh viver. Com toda a bonita definicao que essa palavra pode ter.

E foi por me ver tao feliz, que a vida sorriu de volta pra mim.



[...] para sermos felizes juntos. Eu disse que sim, claro que sim, muitas vezes que sim, e aquela voz repetiu e repetia que me queria desta vez ainda mais, de um jeito melhor [...]

Nenhum comentário: